Vivendo e aprendendo

Vivendo e aprendendo... Atendi um cliente que me contatou pelo Whats. Já iniciou o contato fazendo uma consulta. Não gosto de dar pareceres sobre os problemas das pessoas sem conversar pessoalmente. O problema é sempre mais complexo do que é possível explicar em poucos caracteres. A questão era séria e urgente, não tinha horário para atende-lo, mas me dispus a encaixa-lo, dada a relevância da situação. Ele perguntou somente quanto iria gastar. Como estava preocupada me limitei a explicar que não poderia passar valores de honorários sem ter a exata noção da complexidade da causa. O atendi, li todos os documentos que ele me trouxe, expliquei o que poderia ser feito e como poderia ser feito, consultei a tabela da Ordem e passei o melhor valor que poderia realizar o serviço. O cliente ficou indeciso, a questão era complexa. Me dispus a verificar outras possibilidades e entrar em contato, mas de pronto, para não pressiona-lo disse: "se você deseja ingressar com a causa cobrarei os honorários, caso contrário apenas esta consulta". Procurei deixa-lo a vontade, pois não trabalho insistindo com os clientes para que tomem decisões que depois possam se arrepender, os deixo livres, os comunico dos prós e contras e a decisão é inteiramente deles se iniciam ou não um processo. As 20h consegui outras soluções, consultando diversos colegas, entrei em contato e dei as demais informações para meu cliente. No dia seguinte, dada a urgência do caso, entrei em contato no final do tarde para me certificar se ele já havia se decidido, pois precisaria de tempo hábil para fazer a peça inicial com riqueza de detalhes, não queria que ele deixasse para decidir em cima da hora e eu não tivesse tempo para fazer a peça com a qualidade necessária. Ele perguntou novamente o custo dos honorários, informei o mesmo que já havia informado, declarando que ele poderia parcelar de forma que lhe fosse possível arcar com o custo. Em réplica ele começou a dizer que não era certo eu ter avisado que ele teria que pagar a consulta só depois que ele fez a consulta. O valor não é exorbitante, é plenamente justo e eu o avisei na hora porque quando ele entrou em contato me preocupei primeiro com ele do que em cobra-lo. Disse que se ele se sentia lesado não precisaria pagar. Seguiu tentando provar que eu havia agido mal. Me ofendi, desejei boa sorte e que procurasse outro profissional para representa-lo caso precisasse. Não tolero que duvidem da minha idoneidade. Advogados passam por estas situações diariamente. Trabalham, mas as pessoas acham que o seu trabalho não vale nada, acham que é justo exigir que você trabalhe de graça. É lamentável isso. Agora vou ter mais preocupação em deixar claro essa questão da consulta, para que não ocorra algo deste tipo novamente. Triste ver como as pessoas agem de maneira a desvalorizar nossa profissão, até os próprios colegas que deixam de cobrar consultas, sendo que empregam o conhecimento que batalharam e pagaram caro para adquirir. Ainda que o caminho seja difícil, com esses tantos obstáculos advogar é uma profissão maravilhosa, que eu amo e que pretendo exercer por toda minha vida com dignidade e dedicação. Vou aprender a lidar com os espertos, mas não vou deixar de me preocupar primeiro com as primeiras coisas. E o primeiro não é o dinheiro, ele é conseqüência, ele virá, de bom grado daqueles que reconhecerem meu trabalho. Vivendo e aprendendo. Adriana Cecilio

0 comentários:

Postar um comentário

 
© Adriana Cecilio - Advocacia - 2014. Todos os direitos reservados.
Criado por: ID Serviços.
Agilidade, Eficiência e Transparência.
imagem-logo